Sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

Ensaio Sobre a Cegueira - José Saramago

 

 

Tudo começa quando um homem cega enquanto está parado no semáforo,em pleno trânsito. Depois de ser ajudado a chegar a casa por um desconhecido e de ter estado com a mulher, que o decide levar ao oftalmologista, apercebe-se que quem o ajudara lhe roubara o carro. Depois de o médico o ter observado, este continua a atender os outros pacientes que esperam. O médico apercebera-se da estranheza do caso do seu paciente, em que a cegueira, ao invés de se manifestar negra, aparece como branco como se só houvesse luz, que impedisse a visão, continua a pesquisar, comunicando as suas preocupações aos responsáveis da saúde no país. Passado um pouco percebe que também está cego e que esta cegueira é contagiosa, tentando afastar-se da mulher, como medida de precaução, coisa que esta recusa.

 

Entretanto, as autoridades, como modo de pararem o contágio, que já se manifestara também nos pacientes que o Médico havia tratado depois, nomeadamente, um velho com uma venda preta, que sofria de cataratas, uma prostituta, que usava óculos escuros e tinha conjuntivite e um menino estrábico, decidem isolar os contagiados em quarenta provisória, de modo a pararem o "mal branco", encerrando estes doentes num antigo manicómio. Mesmo sem ter cegado, a mulher do médico finge-se contagiada para poder ficar junto do marido. Assim, vai chegando cada vez mais gente ao antigo manicómio, notando-se a escassez de alimento, assim como a falta de cuidados e de higiene que só a mulher do médico podia viver. Assim se passam os dias neste alojamento de cegos, em que as pessoas se vão agrupando, consoante os sítios onde se estabeleciam para dormir. Desta forma, cada grupo vai fazendo por si e pela subsistência, uma vez que as necessidades básicas como alimentação, se vão fazendo sentir, começando  tentar liderar no manicómio vendendo o pouco alimento que havia em troco de bens pessoais. Mais tarde, quando ninguém tem bens para trocar por comida, o grupo que lidera o manicómio, constituído exclusivamente por homens começa a exigir favores sexuais. Depois de as mulheres terem sido submetidas ao limite da dignidade humana, a mulher do médico revolta-se e mata o chefe do grupo, de modo a restituir um pouco mais de justiça àquele lugar, onde a própria justiça já era uma utopia. Mesmo assim, continuam sem o direito à comida e uma mulher decide pegar fogo à camarata onde estes estavam. Com o alastra do incêndio, os cegos vêm-se forçados a sair daquele lugar inóspito, não encontrando, para seu espanto, oposição à saída.

 

É neste momento que percebem o cúmulo de todo aquele cenário monstruoso. A rua, a cidade, tudo se tinha transformado num caos, onde cegos viviam na rua, que por sua vez se encontrava inundada de lixo e de dejetos, causados pela putrefação deixada pela falta de cuidados e higienização sofridos. Decidem então criar um grupo coeso, de modo a não se perderem e a poderem orientar-se com a ajuda da mulher do médico, até chegarem às suas casas. Este grupo é constituído pelo médico e a mulher, o primeiro cego e a mulher, o velho da venda preta, a rapariga dos óculos escuros e o menino estrábico.

 

Dirigem-se então à casa do médico, suficientemente espaçosa para albergar todos. Antes disso, a mulher do médico tinha procurado comida, entrando num supermercado, mas até aí toda a comida havia esgotado. Então lembra-se de ir ao armazém do supermercado e encontra a reserva de conservas que leva para alimentar o grupo que d certo modo sustenta. Quando mais tarde volta para buscar mais comida, percebe que o armazém fora descoberto por cegos famintos, estando preenchido por corpos mortos em avançado estado de decomposição. Ao regressar a casa para numa igreja onde todos os santos têm vendas nos olhos. Dando alerta de tal situação, as pessoas fogem daquele lugar desesperadas e aí, a mulher do médico consegue obter um pouco de comida. Depois de regressar a casa, todos jantam e ouvem a mulher do médico ler para poderem alimentar a alma. Passado um pouco, o primeiro cego deixa de "ver" tudo branco, e com os olhos fechados vê tudo preto. Pensando que contraíra a cegueira comum, manifesta-se, mas ao abrir os olhos percebe que já vê. Num ambiente de euforia, cada um recupera a esperança de voltar a ver. Depois de uma noite passada em claro e depois de o recuperar gradual da visão, esta torna-se numa realidade próxima. Então, as pessoas saem à rua para assistir aos brados de "Vejo!" e a mulher do médico olha para o céu vendo tudo branco, consciencializando-se que chegara a sua vez de cega. Invadida por uma vaga de medo, volta os olhos para baixo e apercebe-se que ainda vê.

 

 

 

É assim que termina este romance. Dotado de uma grade criatividade, o autor consegue usar a melhor metáfora para caracterizar a humanidade: a cegueira. Como é que não nos podemos considerar cegos? Os mais fortes não olham a meio para atingir os fins; as autoridades não vêem (ou fingem não ver) a forma como o pode é exercido; e os mais fracos não reparam nas formas como são comprados, deixando-se seduzir pelas vantagens a curto prazo. Como é que não somos cegos, pergunto-me mais uma vez. Como mote deste livro temos a citação "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara." e a sabedoria popular diz-nos que "O pior cego é aquele que não quer ver" e assim fica nítido que somos realmente cegos. Com capacidades para olhar, ver e reparar, cegamos perante as pequenas coisas que existem, não mudamos em nada as nossas ações para que o mundo deixe de estar no estado caótico em que se encontra. Não digo que se viva o mesmo caos descrito no romance, mas antes um caos psicológico em que a nossa cegueira não nos deixa usar a lucidez para guiarmos as nossas vidas.

 

Como mensagem principal deste romance, acho que o autor pretendeu dizer para abrirmos os nossos olhos, não só numa visão egocentrista, mas sim para tudo o que nos rodeia. Porque um pequena passo, dado por uma grande sociedade, pode se traduzir na melhoria da qualidade de vida da humanidade.

 

 

E porque gosto de ler...

 

Recomendo!

publicado por Papão da Fantasia às 17:44

link do post | favorito
De marrocoseodestino a 11 de Setembro de 2014 às 10:09
Este foi o único livro que consegui ler do escritor Saramago. Gostei imenso e tenho penas de não ter conseguido ler mais nenhum, apesar das muitas tentativas. Tenho vários , pois cá em casa os livros são compras que achamos necessarias.
Boas leituras
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Desafio #3

. Memorial de Convento - Jo...

. As leituras de verão que ...

. A Resistência: Ninguém po...

. O Céu Existe Mesmo - Todd...

. Ensaio Sobre a Cegueira -...

. O Novo Inquilino - Doreen...

. Marley & Eu - John Grogan

. Recomendação

. O Diário de Anne Frank

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Lindos olhos, MELHOR RAB...

. Dia da Mãe

. O Triunfo dos Mansos

. Um Dia de Vida

. Como quase adotar um gato

. Aos futuros Caloiros

. Querido Blog,

. Ingratidão

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub